Minhas doces releituras


Bem-vindos a esta página de releituras...
Reler não é reproduzir com outras palavras, e sim, usar a imaginação e criar algo novo que não se dissocia da alma, dos fundamentos básicos do original...
Como adoro os contos infantis, minhas releituras se dedicam a dar a eles uma roupagem adolescente e atual...
Com um estilo novo que mistura imaginário e real, meus textos visam acima de tudo, trazer uma mensagem sócio-educativa aos nossos futuros cidadãos...

Emminha Torino 
*Todos os meus textos estão protegidos em seus direitos autorais

Uma bela prenda adormecida
 Cunhaporã, o Príncipe e Sepé Tiaraju

Apreparado pra se emocionar vivente?
Cada momento desta história vai te fazer viajar pelo pampa, pela emoção, pelo mal, pelo bem, pelo amor...
No extremo sul do Rio Grande, há um arroio de nome Chuí que não tem leito fixo, porque a barra muda muito de lugar a procura da cabeça de um índio taura de nome Itiruá, morto em uma emboscada...

Neste pago distante e num tempo mais distante ainda, ás margens do Chuí, ergueu-se um reino que teve seu monarca morto em situação duvidosa; para alguns ele expirou em batalhas, entreverado nas tentativas espanholas e portuguesas de dominar este chão, para outros foi Teiniaguá que o encantou e sugou a luz de sua existência. A viúva desse monarca era a temida, má e linda Teiniabru, contam que era a mistura de uma bruxa velha com a formosa princesa moura Teiniaguá, que na verdade era uma grande cobra com cabeça de fogo que enfeitiçava os homens para matá-los e sugar sua alma; ao fugir do Jarau, a Salamanca foi para o Chuí, deixando sua gruta no rio Uruguai, com o intuito de encantar o rei, casar-se com ele e transformar as masmorras do castelo em uma grande gruta com fogo por todos os lados e luzes das almas que conquistasse; vencedora em seu propósito, tudo saiu como planejou, mas depois de viúva, e sozinha com o filho do casal (o príncipe Cauã), dizem que ela já não possuía todos os poderes como quando era virgem, ainda assim não existia quem ousasse duvidar ou verificar...

O príncipe era folgazão, forte, arrojado, bom, vivia seus dias ás voltas com os cavalos redomões e suas noites eram pela querência nas quadrilhas de rua e nos fandangos a procura de amor, era alegre em sua juventude, porém triste com o destino de sua mãe, uma vez que dentro dos portões do palácio já tinha visto as mais variadas barbáries que ela era capaz de cometer quando lhe aflorava a Teiniaguá; sempre que isso acontecia, o manto da morte se estendia sobre o castelo, e nestes momentos, ele sempre saía pelos campos para não ouvir os que agonizavam e tentava em vão, fugir da consciência de que aquele algoz implacável era mesmo sua mãe.


Todos esses pensamentos me acompanhavam desde que saí de São Miguel para comprar uma boiada; já perto do palácio, passo por um grande galpão e vejo um príncipe que se apresentou a mim como Cauã; surpreso com a coincidência, pois vinha cavalgando e pensando justamente em sua história, me espantei em ver que com uma noite fria, soprando forte o minuano e ele sentado á porta do galpão, olhando a coxilha enquanto seus amigos a meia guampa se dividiam carpetiando truco e apostando osso, tão empolgados que se ouviam os gritos de “culo” e “suerte” a ecoar pelo ar gelado, olhei de relancina, não me sofri e perguntei:
- Oigalê majestade, está quase repontando a aurora e te vejo solito e em teus olhos a mesma tristeza do Negrinho que perdeu o gado do seu pastoreio, não vejo sirigaitas e nem prendas a teu lado; não temos laços estreitos e estou de passagem, mas vejo uma peleia em teu peito, me queres contar?

Ele me respondeu cabisbaixo:
- Se aprochegue missioneiro e tome um amargo. Minha tristeza é ser cria de quem sou, procuro algo que mude tudo isso e não encontro; estive em grandes batalhas, tenho amigos sinceros, prendas enamoradas de mim, ouro e terras a perder de vista, mas nada me faz realmente feliz, é como se eu vivesse um pesadelo do qual não posso acordar e libertar as mágoas do meu coração.

E quanto mais ele se queixava, mais eu pensava ser o príncipe como o quero-quero que grita no banhado, sempre insatisfeito, sempre sem saber o que quer; tendo a vida lhe pealado as coxilhas e ainda assim era triste, sempre querendão. Então lembrei que se ele achava que vivia um pesadelo, imagine Cunhaporã, a princesa que dormia há cem anos, sem ver a vida passar, e resolvi abrir os olhos do vivente atarantado e falei:
- Estás vendo aquela enorme torre, ao longe?

Ele espantou-se e disse:
- Sim, mas como está ali? Por muitas vezes aqui me aboletei e nunca vi esse castelo no alto da coxilha, não me digas que é Cunhaporã e seu reino? Mas não é apenas uma lenda contada pelos homens quando estão de manguaça?

Diante de tanta incredulidade, expliquei:
- Claro que Cunhaporã não é uma lenda, podes ver seu castelo agora e chegar até ele, porque a barra está novamente procurando a cabeça de meu irmão Itiruá, e neste momento, pelo caminho da antiga cancha, se pode ir até lá.

Ele indagou:
- Confirmas toda essa história? Acreditas mesmo em tudo isto missioneiro? Pareces um tapejara deste pampa...

Resolvi lhe clarear a mente:
- Outro reino se descortina ali príncipe Cauã, também com uma história triste e muito ligada a sua; contam que os monarcas daquele reino queriam muito um filho e nunca conseguiram tal intuito, um dia o Patrão Velho do Céu os abençoou e tiveram Cunhaporã, a felicidade corria frouxa e fizeram uma grande festa de batizado, para onde todo reino cavalgava em imponência; os pajés de todas as tribos foram convidados para dar à princesa as bênçãos de Tupã, porém o mais velho deles não arredava pé de sua tapera há muito tempo e o rei supôs que ele tivesse morrido, então não o convidou. Durante a celebração, iniciou-se a pajelança, e todos lhe davam dons como a beleza, inteligência, sabedoria, riqueza e o que de melhor o Patrão Velho estivesse autorizando; quando estava terminando a cerimônia, o velho pajé Ibiajá (Senhor do planalto, como diz seu nome), enrodilhado em seu pala e tendo ao lado seu guaipeca, amuado por não ter sido convidado, profetizou:

- De nada adiantarão tantos dons, porque esta cria vai furar o dedo em uma das rocas de fiar do reino e morrer ao completar quinze anos, é o preço por me menosprezarem esquecendo me convidar para a festa. Vida perfeita, porém curta como as rédeas de meu zaino.


Rapidamente o pajé Rudá (Senhor do amor) falou a todos:
- Não posso apagar as palavras de Ibiajá, mas posso profetizar que ao furar o dedo na roca, Cunhaporã não morrerá, mas dormirá por cem anos até que um príncipe taura a acorde, case com ela e sejam felizes.
Cunhaporã e Teiniaguá

Corre a boca pequena que bem rapidamente ela cresceu e chegou aos quinze anos com todos os dons, o rei mandou destruir todas as rocas do reino e tudo parecia tranquilo, até que... Espere, como é mesmo a graça de sua bisavó, meu príncipe?

Sem entender, ele informou:
- Minha bisavó se chamava Araruna Maleva, por quê?

Expliquei que ela era a rainha do reino vizinho ao de Cunhaporã, e sua sede de poder não permitia outros monarcas por estas paragens, sabendo da profecia, ela escondida nos campos, ofertou uma roca de presente de aniversário a Cunhaporã e lhe ensinava a usar toda vez que a princesa saía para passear, então um dia, a princesa picou o dedo e dormiu, e com ela dormiu todo seu reino; desde então estas coxilhas pertencem a sua família príncipe Cauã, a atual monarca é sua mãe Teiniabru, e quanto a Vossa Majestade, tenho a certeza de que em suas mãos dorme o destino de Cunhaporã, o seu próprio e o de todo o reino; tudo isso me foi contado pelos padres, ante de vir para cá.

Não sei se pela luz da aurora chegando ou pela gravidade das revelações, mas o príncipe que estava branco, ladeado, olhou para o tordilho e esbravejou:
- Vou ser o senhor desta querência e Cunhaporã será minha prenda amada, absoluta em meu coração e em meu reino.

Assisti a tudo de longe sem que ele me botasse os olhos, e ele a tudo enfrentou, com um facão foi abrindo a mata e chegando ao castelo a encontrou e beijou, ela acordou, casaram-se e se preparavam para serem eternamente felizes; certamente não convidaram Teiniabru para a cerimônia do enlace (agora além de uma terrível mãe, era também uma temida sogra), e isto reacendeu o ódio da rainha.

Bem, eu precisava voltar para São Miguel, há muitas luas estava fora por conta da compra de bois, me despedi de Cauã e Cunhaporã, e pedi que sempre mandassem notícias pelos carreteiros e pelos mascates que viviam cruzando o sul.

O tempo passou, tínhamos sempre notícias do Chuí, as cartas que chegavam eram lidas pelos padres durante as aulas da piazada e Cauã também por várias vezes nos veio em auxílio nas peleias; pelas missivas tomamos conhecimento de que tiveram o primeiro filho, Piatã (o forte) e no ano seguinte foram abençoados com uma menina Amanari (a água da chuva), viviam felizes, mas o pago foi novamente invadido e Cauã se foi com os lanceiros para batalha, deixando sua mulher e filhos sob os olhos do chefe da guarda que lhe era amigo fiel; porém o ódio de Teiniabru era maior que o olhar atencioso de qualquer guarda, com suas armas de bruxa colocou olho grande nas crianças que ficaram amarelas e começaram a minguar, já estavam á beira da morte quando a pedido de Cunhaporã, o chefe da guarda conseguiu uma velha benzedeira, que tirou o mau olhado dos piás rezando por três semanas ao pé da cama, e ainda espalhou arruda e chifres de boi pelo castelo, o que espantou a bruxa do local. 
 Cunhaporã com o marido e os filhos Piatã e Amanari

Para espanto de todos, a missiva continuava e com um entreveiro ainda maior, enquanto o padre lia, soubemos que Teiniabru não se deu por vencida e depois de amarrar bem as colas dos cavalos, cavalgou pelas coxilhas noites e noites, galopando um plano de matar nora e netos, e ser novamente a única senhora daquelas terras.

Assim ela resolveu raptar Cunhaporã, Piatã e Amanari, os levou para seu castelo de verão, os deixou por dias a pão e água enquanto ia colocando em prática seu plano; mas Cauã foi avisado pelo chefe da guarda, que fugiu e encontrou o príncipe nos campos de batalha. De vereda, o príncipe apavorado com a notícia, voltou rasgando a coxilha ao meio e empurrando a terra para trás; ao chegar viu o povo a gritar, sua mulher e filhos atados aos troncos para serem queimados, e sua mãe, soberana como Teiniaguá a soltar fogo pela boca incendiando a grande fogueira.
Imediatamente soltou os três, pegou sua espada e se foi em direção á Teiniaguá. 
Teiniaguá  em fúria

 Neste momento, Tupã intercedeu, pingos grossos de chuva salpicavam cheiro de terra molhada e a noite se fez por muito tempo, e como Teiniaguá vivia de luz e fogo, ela então morreu ali exposta, longe de suas grutas e sem poder entrar para o calabouço do palácio que outrora abrigou toda sua maldade. 

Nossos sorrisos se abriram ao constatar que o final da missiva informava que o chefe da guarda agora é um rei em uma querência distante, ganhou seu reino como agradecimento do hoje, rei Cauã, que é feliz com a rainha Cunhaporã e com seus filhos Piatã e Amanari, que ansiosos esperam a chegada de mais um membro na família, se será menino ou menina, acho que a próxima missiva nos dirá... 

Quanto a mim, que vos conto tudo isso, sou um índio missioneiro que aprendeu a língua dos brancos para levar suas palavras ao meu povo tupi-guarani, nasci com um sinal na testa, predestinado por Tupã e São Miguel a defender a terra das missões, a terra do sul; vivo entre a poesia que aprendi a conhecer e o arado que convivi desde o nascimento; noite passada, sonhei com Tupã e ele estava de poncho negro, talvez eu seja vencido na próxima peleia contra os invasores... 

Se isto acontecer, peço ao Patrão Velho que retire esta estrela da minha testa e a multiplique no céu, e a nomeie Cruzeiro do Sul para iluminar e guiar o meu povo; e se algum dia estas palavras forem encontradas no verde do meu pago, onde as deixarei agora, saibam que não sou uma lenda na boca de manguaceiros, que existi no sul e pelo sul, que um dia piás brincarão neste mesmo lugar onde hoje peleio, porque esta terra tem dono, é nossa, de nossa gente, e eu, sou Sepé Tiaraju, um grito de amor á terra do Rio Grande...
*Imagens pessoais e retiradas da internet

Blog Real da Princesa Cinderela VI - 10 de maio de 2015 _________________________________________________________________________________
QUERIDOS SÚDITOS, FÃS E SIMPATIZANTES, 
CONTO COM O VOTO DE TODOS VOCÊS... 
E chegaram as férias novamente, aqui estou em Majestix, esse antigo arquipélago monárquico no Mediterrâneo, composto por inúmeras ilhas em que nós, as princesas, viemos com nossas famílias, passar o verão.
  
 
Esta semana chegaram minhas amigas de infância, Alice, Ariel, Aurora, Bela, Jasmine, Branca de Neve, Rapunzel, Pocahontas, Tiana, Mérida e Mulan...
 
 Que fofas: Mérida, Eu, Bela, Branca de Neve, Tiana, Rapunzel, Mulan, Aurora e Jasmine; 
minha mãe conta que nesse dia, Pocahontas e Ariel choravam tanto, que não participaram de nossa foto oficial...
Eu, Aurora, Branca de Neve, Bela e Ariel, brincando com nossos bichinhos... 
Nos próximos dias, as irmãs Anna e Elsa do reino de Arendelle vêm para Frozen, aquela ilha no norte que é gelada mesmo no verão, cada gosto que vou te contar, eu fico passada; e o rei Roland que desde a viuvez, passava os verões solitários com os filhos ilha de Encântia, casou com uma plebéia, agora James e Amber tem uma meia-irmã, a princesinha Sofia, então teremos gente nova no pedaço... O verão promete... 

 
 Aí estão Ana e Elza,
  
 e o Rei Roland II, com a nova família e a princesinha Sofia 

Todos sabem que por tradição, possuímos o mesmo nome de nossas avós; que também é o nome de nossas mães, e ás vezes acho que possuímos quase as mesmas vidas, que estão sempre nas capas das revistas mais disputadas dos reinos. Os colunistas sociais têm tantas novidades para contar aos súditos das famílias reais que lhes faltam páginas em seus periódicos, e acabam por deixar de lado esta ou aquela notícia, o que naturalmente, deixa sempre uma princesa ou um príncipe ofendido, ocasionando fofocas e desavenças entre os povos das ilhas.
 
 
   
Algumas de nossas capas do ano que passou, só para recordar... 

Para acalmar a delicada situação e manter todas as princesas na mídia ao mesmo tempo, a revista Vogue Majestix (a mais lida na região) lançou um desafio em conjunto com os cineastas locais; um grande concurso em que a tarefa é que cada uma de nós princesas, façamos um filme caseiro, um curta - metragem sobre a vida de nossas avós... Estou aqui para contar a vocês como estão os preparativos, as fofocas sobre os filmes e, é claro, pedir o apoio de todos os meus fãs, porque o melhor filme vai ser escolhido por voto popular.
 Nossa selfie quando recebemos as regras do concurso na Revista Vogue Majestix
  
No camarim do estúdio da TV Real Majestix, nos preparando para gravar a chamada do concurso...
  

Estou muito ansiosa, pois o primeiro prêmio ganha o direito de ser a protagonista do próximo filme que vai ser feito em Hollywood e parem tudo, porque o ator principal é o brasileiro Rodrigo Santoro, ele mesmo, aquele maravilhoso, poderoso, vitaminado que fez Panteras, Lost e Xerxes I em 300, o meu preferido entre os preferidos...
  
Olhem se este plebeu não daria o mais belo dos príncipes?  
Ariel, que vive nos mares, está sempre de conversinha com ele, toda vez que ele vai surfar... Imaginem sair um possível namoro escondido na Vogue! Tio Tritão deve estar mega furioso... É por isso que odeio os paparazzi... 

O segundo prêmio é participar como atriz coadjuvante de uma comédia romântica com Robert Pattinson, ele agora está investindo nessa vibe, cansou da Saga Crepúsculo; vamos combinar que ele tem seu lugar garantido entre os mais lindos do planeta...
  
Robert na última campanha da Dior... Eu que sempre usei Yves Saint Laurent, depois que vi essas fotos, até passei a comprar umas coisinhas da Maison Dior... 

E, finalmente o terceiro prêmio, é interpretar a filha do ator George Clooney, o James Bond, em seu próximo filme de ação; ele é bonito demais, minha mãe então, é louca por ele; mas não quero ser a filha de ninguém em filme nenhum, quero ser a namorada, a principal, a indicada para o Oscar... Portanto amigas, votem em mim para primeiro lugar, por favor... 
 
 
 George Clooney, o preferido no coração das mães das princesas... Rainhas apaixonadas e Reis enciumados, esse é o verão... 

Preciso confessar que estou enfrentando alguns problemas para fazer o meu filme, e estou bastante preocupada, pois a produção de abóboras este ano não foi boa, e minha fada madrinha, não está conseguindo uma do tamanho adequado para transformar em carruagem... Sem carruagem, sem baile... Afinal, eu não posso ir andando pela floresta, pois vou acabar quebrando o salto do sapatinho de cristal, e seria o fim o príncipe achar um sapato velho quebrado... Já liguei para todos os pontos de táxis, mas eles estão ocupados com os turistas que já fizeram suas reservas; portanto, a busca por uma abóbora perfeita, está ocupando meus pensamentos e atrapalhando o meu sono de beleza... 
 
  
A carruagem de minha avó que está num museu, na Disneyworld, não há tempo para trazê-la, infelizmente...
                                         
A carruagem de minha mãe está em Paris, emprestada para o casamento de uma prima distante... 

Aos que não conhecem minha história, não se confundam, a Gata Borralheira foi minha avó, ela coitada teve aquela madrasta horrível e aquelas irmãs emprestadas, mas tudo mudou depois que casou, minha mãe nasceu, cresceu e casou também com um príncipe, mas meus pais estão vivos e todos os anos, fazemos o baile para lembrar nossas origens e comemorar nossas tradições... 

AVISO: MEUS SÚDITOS, PRECISO URGENTE DE UMA ABÓBORA GIGANTE! 

Continuando nosso papo, consegui algumas fotos maravilhosas, bafônicas, das minhas amigas se preparando para suas filmagens... Kkk... Não há nada que não possa piorar, e como não achei ainda a abóbora que preciso, hoje estou malvada... Kkk... 
  
Ariel está com acne e não há creme de algas que resolva o problema...  
Jasmine foi tirar o buço usando aquele sistema oriental e pegou uma alergia horrorosa, custava ter esperado a depiladora real chegar?
  
Tiana é outra teimosa, os cabeleireiros reais atrasaram um pouquinho, ela ansiosa, não quis aguardar... Resultado: queimou um pedaço enorme de cabelo e incendiou um babyliss...  
E Rapunzel está ás voltas com a depilação... Sempre que a vejo se depilar, lembro que ela parece irmã da Fera... Kkk...
  
Aurora anda me irritando ultimamente, toda vez que vou visitá-la, está de rolo no cabelo, dormindo um eterno sono de beleza; que chata, só porque é neta da Bela Adormecida e quer estar linda na sua filmagem,vai querer passar o verão todo na cama?
  
Mas uma amiga vem preocupando a todas nós, é Bela que está com uma mania horrível de magreza; ela está magérrima, mas insiste em dizer que está gorda... Por favor, súditos e fãs da Princesa Bela, façam uma campanha dizendo que ela é linda demais... 

E eu, estou aqui, escrevendo a vocês, tentando controlar minha ansiedade, não quero ficar nervosa como em outras ocasiões, vou esperar a pedicure do reino, não farei como em outras ocasiões em que queria os pés perfeitos para meu sapatinho de cristal, e acabei com os pés... O que vocês estão vendo na foto abaixo, nunca mais...
  

Mas vamos falar de coisas boas; fui com Rapunzel visitar Mérida, ela nos deixou montar Angus e nos ensinou um pouco como usar o arco e a flecha, ela e Mulan são minhas amigas mais corajosas...

  
 
Mérida é brava, valente como a sua Escócia...

E por falar em Mulan, na tarde de ontem, ela nos recebeu para um autêntico chá chinês; como ela é determinada, herdou isso de sua avó, que lutou na guerra para que seu querido bisavô doente não precisasse passar por algo tão terrível...
 
 
Aí estamos nós com nossa querida anfitriã Mulan...

Neste sábado teremos a festa do Sol, que Pocahontas oferece todo ano, ela é uma amiga muito dedicada e amorosa, fala vários idiomas, e tem uns poderes ocultos como sua avó, vai ser lindo o filme que ela fará contando a história de toda uma nação indígena, a história de seu povo... #VouAdorar 
 
A festa do ano passado foi top, inovamos nos modelitos usando laranja e vermelho... Mas este ano parece que todas estão voltando ao amarelo total... 

Branca de Neve está muito adiantada em suas filmagens, o que era de se esperar, pois tem os Sete Anões, os filhos e os netos deles para ajudá-la, são vinte e uma pessoas ajudando uma só participante, isso é até concorrência desleal... Kkk... Até mesmo a própria Vogue Majestix já colocou Nevinha e Fer em várias capas, é melhor começar a me preocupar com esses detalhes porque a concorrência está forte... 

 
Branca de Neve e Ferdinando foram capas da última Vogue, e olhem as maçãs lindas que eles conseguiram para as fotos, e eu continuo com o problema da minha abóbora... 

ATENÇÃO: O MELHOR EMAIL DO MUNDO CHEGOU AGORA, O PRÍNCIPE ALLADIN VAI ME TRAZER UMA ABÓBORA EM SEU TAPETE VOADOR, ESTÁ RESOLVIDO O PROBLEMA DA CARRUAGEM PARA O MEU FILME, OBRIGADA AMIGO!


 
Meu Instagram Real ta bombando; que noticia linda, Alice vem para as férias com a Princesa Sofia porque elas estão mega amigas...
   
Acabaram de postar essa foto, estão nos últimos preparativos da viagem... #TodasJuntasNoVerão 

Hoje, teremos um jantar de confraternização oferecido pela princesa Tiana para recepcionar os príncipes; esse jantar demorou a ser marcado porque Tiana trabalha muito, e mesmo nas férias, não sai do celular resolvendo negócios da rede de restaurantes que ela possui em New Orléans, rede esta começada por sua avó, que principiou seus negócios sendo garçonete... Á noite teremos boa comida oriental, pois o cardápio foi sugerido pela princesa Jasmine (uma expert em gastronomia), e todos os ingredientes exóticos, serão trazidos pelo príncipe Aladdin no tapete mágico... Tiana decide as coisas rapidamente e Jasmine a acompanha... Muito jazz nos espera...
 
A avó de Tiana, na mocidade...
 
Jasmine e Tiana, nossas anfitriãs... 
Com certeza, a nossa doce e culta Rapunzel, vai nos declamar belos poemas de amor, e nos presentear com quadros lindos conforme prometeu, e como todas nós sabemos, ela nunca quebra uma promessa... Bela, também é apaixonada pela literatura, e adora música, estou certa de que ela vai nos encantar com os novos hits da música francesa... Bela sabe tocar os corações...
  
Bela, eu e Rapunzel... Adoro essa foto... #AmigasAmoDemais

Vamos matar um pouco da curiosidade? Se alguém estiver interessada em saber, alguns príncipes já confirmaram presença... 
  

Volto em breve súditos maravilhosos; e não esqueçam, quando abrir a votação dos filmes, conto com o apoio de vocês, quero muito ser protagonista com Rodrigo Santoro... Na verdade, já me vejo no próximo Oscar, abalando no tapete vermelho... Beijinhos reais a todos... Postado por Sua Alteza Real
às 17h00min em Reino de Majestix

*Imagens pessoais e retiradas da internet

2 comentários:

Isabel Teixeira de Mello disse...

Adorei, ainda quero ler um livro escrito por ti.

mate doce e rosquinhas... disse...

obrigada Maninha, bjão :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...